João Marcos Adede y Castro

JOÃO MARCOS ADEDE Y CASTRO é graduado em Direito pela Universidade Federal de Santa Maria, sendo Mestre em Integração Latino Americana, pela mesma Universidade.

 

É doutor em Ciências Jurídicas e Sociais, pela Universidade del Museo Social Argentino, e doutorando em Direito Civil pela Universidade de Buenos Aires, ambas de Buenos Aires.  

 

Foi Promotor de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul por quase 30  anos, tendo exercido as atribuições de Promotor de Justiça Especializada de Defesa Comunitária, com atuação preponderante nas áreas de defesa do meio ambiente, interesses sociais e coletivos e improbidade administrativa. É Professor Universitário.

 

 É membro e  foi Presidente da Academia Santa-Mariense de Letras, ocupando a cadeira número 16, cujo patrono é o escritor e jurista  Darcy Azambuja. É advogado em Santa Maria, RS.

Procure por Tags

PENSO EM PARAR

28.01.2020

Vou completar 64 anos em 2020, pois nasci em 1956. Nunca tive participação efetiva em atividades político-partidárias, mas me surpreendo escrevendo o tempo todo sobre política.

Mas, se conforme disse Aristóteles, “o homem é um animal político” e se a sociedade precisa de pessoas que a pensem, a organizem e a governem, então também sou um político.

Leio muito e escrevo o que penso. Às vezes morro abraçado às minhas ideias, outras me envergonho de ter pensado e escrito certas coisas. Fazer o quê, se as palavras orais voam com o vento e os escritos permanecem? Nada, a não ser assumir o erro e escrever de novo, de novo e de novo.

Conheço muitas pessoas que exercitam suas ideias em escritos que não publicam, o que acho válido, mas eu não consigo. Sempre que me dão espaço, publico em jornais, no Facebook, no Linkedin, etc. Alguém me disse que sou vaidoso. Talvez, mas esse sou eu.

Aposentei-me há mais de oito anos do cargo de Promotor de Justiça e desde lá advogo, o que me exige envolvimento em processos e na administração de meu escritório, mas sempre que sobra um tempinho, escrevo minhas bobagens.

Passo o tempo todo dizendo pra mim mesmo “cala essa boca grande, não vê que tu só te incomoda com isso”, mas escrever e publicar é um vício, bom, mas um vício do qual não consigo me livrar. Sinto-me tão livre quando escrevo, que é uma atividade solitária maravilhosa e mentalmente muito relevante pra mim.

Vejo as pessoas jovens que me cercam crescendo profissionalmente, estudando para ficar melhor preparadas, sonhando em lecionar, em fazer concurso, em mudar de cidade. Eu não consigo pensar que a vida, enquanto atividade de sonhar com o futuro, acabou pra mim.

A minha mais atual preocupação é comer o mínimo possível de carboidratos, entupir a barriga de verdura e não mais que oitenta gramas de carne por dia. De manhã, duas fatias de pão preto com uma fatia de queijo magro e uma de presento sem gordura. O lanche da tarde não passa de uma vitamina de fruta, sem açúcar, e à noite, repete o almoço. Só para perder uns quilos e manter a glicose nos níveis desejados. Ou seja, um pé no saco!

Então, droga, enquanto escrevo me sinto vivo.

Assim, penso em parar, mas sei que não cumprirei essa disposição, à não ser quando Deus me levar ao céu (não sei se diretamente, talvez com um longo estágio no purgatório).

Cala a boca, Adede. 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

  • Facebook Black Round

© 2017 por João Marcos Adede y Castro

  • Facebook Black Round